A morte de Chris Cornell é mais um episódio da epopéia  trágica do grunge, tendo em vista que quatro dos cinco vocalistas das maiores bandas do movimento de Seattle já morreram.Além deles, outros  músicos do gênero também já sucumbiram.

 

A mais recente, que nos pegou de surpresa na última sexta, 19, foi o do vocalista do Soundgarden e do Audioslave, Chris Cornell, que aos 52 anos, foi encontrado no banheiro de um quarto de hotel em Detroit, nos EUA, com sinais de enforcamento. 

 

Dois anos atrás, em 2015, o vocalista do Stone Temple Pilots, Scott Weiland, teve uma overdose após uma mistura de drogas e álcool. Mesmo não sendo de Seattle, a banda foi um dos principais nomes da cena grunge.

 

Em abril de 2002, o vocalista Layne Stanley, a alma do Alice In Chains, calou-se aos 34 anos com uma dose fatal de heroína e cocaína. Ironicamente, a última pessoa a vê-lo foi o baixista, Mike, o qual viria falecer anos depois após uma overdose.

 

E, ainda, uma das maiores perdas da história do rock aconteceu no dia 5 de abril de 1994, quando o líder do Nirvana, Kurt Cobain, se matou em Seattle. Suas letras atormentadas - assim como de seus contemporâneos - reforçam a aura fúnebre do gênero. Muita gente diz que a morte de Kurt Cobain aos 27 anos enterrou o grunge. Mas, de fato, várias bandas continuaram na ativa, e outras tragédias viriam.